Essa é de lascar!

Coisas que acontecem sem ninguém saber.


A Igreja estava lotada e com lindos preparativos para a união matrimonial religiosa de Alceu.G e Ana Paula.N de Oliveira.
Noivas sempre se atrasam e até certo ponto, os convidados acharam o atraso normal.Porém, outro casal já havia chegado a igreja e aguardavam sua vez para a cerimônia, até que finalmente, quase três horas depois, chega a noiva toda arrumadinha em um taxi de frota, contando uma longa história sobre um imprevisto.Então, o segundo casal reclamou e conseguiu passar a frente de Ana.Por fim, começa a cerimônia de Alceu e Ana Paula.Até que num dado momento, já depois da troca de alianças, hou
ve-se na igreja um "murmurinho estranho".Sobe ao altar e se apossa do microfone a empregada que diz:-Dona Ana...a senhora deixou o quarto trancado e o alarme ligado. A polícia pegou um rapáz lá dentro e levou, mas o moço jura que não é ladrão e é bom a senhora correr lá pra resolver, porque ele tá gritando que não vai assumir a criança se a senhora casar com outro.Ele disse que o Alceu é que cuide do filho dele...se levar a muié...tem que levá o menino também.
Dito isso, sai a empregada e se senta na fileira da frente, arrumando o arranjo do cabelo.
Ana fica nervosa e grita: -Marilene...você está louca? Que história é essa?
Ao que marilene responde:-Num sei dona Ana...pergunta pro moço...óia ele aí!
E todos se viram enquanto o rapáz entra acompanhado de dois policias.
E pasmém: -Era o amigo de infância do Alceu.
Depois de muita confusão e casamento não concluído e após alguns meses, Ana se casa com Moises (o amigo de infância) e torna-se amante de Alceu.

Vai entender...

Rosana Lazzar 15 de julho de 2008

Um comentário:

Letícia Cesario disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Meu Deus....eu e Gui ficamos em dúvida se isso era verdade ou não. Ainda assim, foi ótimo!!!
Muito boa sua escrita, Rô!

Beijos...Lê e Gui